Máquina de solda: quais são os tipos e quando usá-las?

Na hora de construir ou reformar um imóvel, o uso de ferramentas é indispensável para uma melhor performance. Nesse sentido, dispor de uma máquina de solda pode ser extremamente útil para realizar diversos serviços, uma vez que o processo de soldagem é capaz de unir materiais como ferro e aço, podendo ser fundamental para recuperar peças e estruturas.

 

máquina de solda

 

Existem diferentes tipos de processos e máquinas de solda — e é justamente sobre isso que falaremos neste texto. Continue a sua leitura para conhecer os formatos mais comuns de soldagem e qual a melhor utilização de cada um deles. Confira!

Máquina de solda: quais os principais tipos?

O processo de soldagem tem evoluído ao longo dos anos e, cada vez mais, surgem técnicas avançadas para unir metais e outros materiais de modo permanente. Entre os tipos mais comuns estão a máquina de solda MIG, a TIG e as com arco manual e arame tubular.

As principais vantagens de se usar uma máquina de solda é a grande eficiência do processo, ou seja, o bom resultado estará garantido por bastante tempo. A soldagem pode ser feita em diversos tipos de materiais e com gastos, em geral, bastante razoáveis em relação ao custo-benefício do trabalho.

Vale destacar que o ideal é que a soldagem seja feita sempre em uma superfície limpa das peças em questão, a uma distância pequena, para que a ligação entre uma parte e a outra possa ser firme. O processo, portanto, é finalizado quando as duas peças são unidas por conta do calor e da eletricidade, além do material usado no preenchimento da solda.

Conheça as principais indicações de cada uma delas e nunca mais tenha dor de cabeça na hora de soldar.

Soldagem TIG

Entre todos os tipos de máquina de solda, a TIG é a mais complicada de ser manuseada, precisando, portanto, de um profissional que já tenha experiência no processo. Por outro lado, a TIG é a soldagem que apresenta os melhores resultados, podendo ser usada em qualquer metal, até mesmo nos mais diferentes, como o titânio.

Soldagem MIG

Hoje em dia a soldagem MIG é uma das mais usadas pelos profissionais da metalurgia. A máquina e o processo são semiautomáticos e, por essa razão, seu funcionamento é mais simples. A soldagem MIG é bastante comum em oficinas mecânicas e outros tipos de fábricas, principalmente porque sua operação é rápida.

A máquina de solda do tipo MIG trabalha com diversos materiais e funciona perfeitamente para unir peças em aço e alumínio. Ainda, seu custo é relativamente baixo e não causa distorção nos metais, sendo uma boa opção para quem não tem muita prática no processo, mas quer ter ótimos resultados.

Soldagem a arco manual

Este é o processo de soldagem mais antigo e já foi, também, o mais utilizado em indústrias siderúrgicas, metalúrgicas, automobilísticas e mineradoras. A máquina de solda desse tipo funciona, principalmente, com aço e aço inoxidável, mas pode unir ainda outros tipos de metal. Para trabalhos mais simples, em pequenas fábricas, oficinas ou até mesmo em casa, a soldagem a arco manual é a mais indicada.

Soldagem a arco com arame tubular

Entre todos os processos de soldagem, o feito a arco com arame tubular é o mais rápido e, por esse motivo, essa máquina de solda é utilizada em larga escala nos mais diferentes tipos de trabalho, sendo apontada, principalmente, para projetos maiores, como fabricação de peças à construção de navios.

Soldagem oxigás

A quem busca por uma máquina de solda mais em conta para realizar trabalhos menores, a soldagem oxigás pode ser uma opção interessante. Esse processo une diferentes metais usando um terceiro componente, chamado metal de enchimento, que se torna maleável por conta de uma chama feita com maçarico.

Para conserto e aplicação em peças mais finas e delicadas, como tubos pequenos, esse é o maquinário mais indicado: pode-se trabalhar com ferro fundido, chumbo, alumínio, latão, aço galvanizado e muito mais.

Soldagem com eletrodo revestido

Esta é outra máquina de solda também bastante utilizada por ser versátil. Indicada para trabalhos com aço, principalmente, esse processo cria uma massa metálica que acaba por fixar os materiais em questão: essa massa é manipulada em varetas metálicas e o revestimento de uma das pontas, posteriormente, é removido para deixar livre o contato elétrico das peças.

Inversora ou transformadora: qual máquina de solda é mais eficiente?

Outra dúvida que você pode ter na hora de trabalhar com uma máquina de solda é em relação ao seu modelo: há máquinas transformadoras e inversoras —  ambas com as mesmas funções, mas com características diferentes.

Os transformadores, para começar, são maiores e funcionam melhor em metalúrgicas e demais oficinas, já as máquinas inversoras são menores e, é claro, mais fáceis de serem carregadas.

Partindo dessa observação do tamanho, já fica fácil deduzir que a máquina de solda inversora pode ser usada em trabalhos mais complicados e em espaços pequenos e de difícil acesso, como na manutenção de telhados.

E, mesmo sendo bem menor, sua potência não deixa a desejar em nenhum momento: pelo contrário, as máquinas mais modernas podem ajustar o número de eletrodos automaticamente, permitindo seu uso nos mais diferentes materiais.

Por ser mais nova e fabricada com tecnologia mais recente, a máquina inversora ainda consome menos energia que a transformadora, possibilitando que o trabalho final seja o mesmo, só que mais econômico. Concluindo, para quem quer uma máquina de solda em casa para realizar pequenos trabalhos, ou quem atende seus clientes externamente, os inversores, atualmente, são mais indicados.

Como você já pôde perceber ao longo do texto, não existe uma máquina de solda superior ou inferior a outra, o que há são diferentes tipos e formas de uso e, portanto, você deve concluir qual é a mais indicada para as suas necessidades, seja tanto para o trabalho como para uma atividade de distração aos finais de semana.

Agora, se vai construir ou reformar a sua casa e não tem nem ideia de como começar o planejamento, aproveite estas dicas para montar uma lista de material completa e economizar tempo e, é claro, muito dinheiro.